TECNOLOGÍA de vanguarda

tumores cerebraisMICROSCÓPIO DE FLUORESCÊNCIA

A Clínica Universidade de Navarra foi um dos primeiros centros espanhóis em adquirir o novo equipamento.

A Clínica está equipada com um microscópio fluorescente, uma variante do microscópio de luz ultravioleta, que apresenta uma série de vantagens relativamente a este mesmo: maior contraste entre o sinal e o ruído; utilizando-se anticorpos dirigidos contra uma proteína, possibilita situá-la numa célula e oferece versatilidade para estudar funções e processos em células vivas.

Esta técnica requer além disso utilizar na cirurgia a tecnologia mais moderna para extrair o máximo do tumor e, ao mesmo tempo, avaliar as áreas mais importantes do cérebro. Deve combinar-se com o navegador cirúrgico e a monitorização neurofisiológica.

Consoante os resultados obtidos, a sua utilização cirúrgica duplica as extrações completas dos tumores cerebrais malignos e 99% do volume tumoral de todos os glioblastomas operados.

El uso del microscopio fluorescente consigue duplicar las extirpaciones completas de los tumores cerebrales malignos. Mediante una sustancia inoculada al paciente totalmente inocua, puede  identificar completamente la zona tumoral y diferenciarla de la  zona  sana, consiguiendo una extirpación total del tumor en el 83% de  los  casos, frente al 30% que se lograba anteriormente.
A utilização de microscópio de fluorescência consegue duplicar a extirpação completa de tumores cerebrais malignos.

talvezlhe interesse

RAZÕES PARA VIR
À CLÍNICA

Conheça porque é que somos diferentes em relação a outros centros sanitários. Qualidade, rapidez, comodidade e resultados.

Imagen del edificio de la Clínica Universidad de Navarra

OS NOSSOS
PROFISSIONAIS

Os profissionais da Clínica realizam um trabalho contínuo de investigação e formação, sempre em benefício do paciente.

Imagen profesionales de la Clínica Universidad de Navarra

PORQUE É QUE INVESTIGAMOS

Investigamos para oferecer novas possibilidades e avanços terapêuticos para os nossos pacientes.
Imagen de un investigador del Área de Terapia Celular de la Clínica Universidad de Navarra