PET
(tomografía por emissão de positrões)

4 mm
é o tamanho mínimo do tumor que somos capazes de diagnosticar 

Ou ligamos-lhe

* Horários de atenção consoante a hora de Espanha peninsular.

Obrigado. Entramos em contacto consigo o mais rápido possível.

O campo telefone é obrigatório.

Pedimos-lhe que verifique o número de telefone. O mesmo deverá ter entre 9 e 15 dígitos e começar por 6,8,9,71,72,73 ou 74. No caso dos números internacionais, por favor, introduza 00 seguido do prefixo internacional correspondente e o seu número de telefone (00-prefixo internacional 34-número de telefone 948 255 400)..

Espere um momento enquanto damos seguimento ao seu pedido.

Fechar Enviar

Tomografia por Emissão de Positrões (PET). Diagnóstico na Clínica Universidade de Navarra 

A Tomografia por Emissão de Positrões (PET) é uma técnica diagnóstica não invasiva que permite gravar imagens do organismo do paciente que mostram a atividade e o metabolismo dos órgãos do corpo.

Utilizam-se substâncias marcadas radioactivamente que se distribuem por todo o organismo.

As células que têm uma maior atividade metabólica (por exemplo, as células tumorais) captam em maior medida esta substância e ao realizar a PET, obtém-se uma imagem onde se visualizam essas zonas hipercaptantes.

É uma prova ambulatória que não precisa de admissão hospitalar.

A Clínica foi o primeiro Centro de Espanha em dispor de uma PET-TAC, que permite detetar lesões que até hoje em dia resultavam praticamente impossíveis de identificar.

Você deseja saber mais sobre o Serviço de Medicina Nuclear [ES]

A incorporação da nova tecnologia PET-TAC, junto com o uso de radiofármacos, permite-nos detetar lesões que até ao momento atual resultavam praticamente impossíveis de identificar".

A Clínica conta com a primeira PET-TAC instalado na Espanha.

Esta tecnologia oferece uma resolução de imagem muito elevada e uma elevada velocidade de exploração.

Esta PET se utiliza principalmente para realizar investigações, mediante a sua aplicação em numerosos ensaios clínicos sobre doenças oncológicas e neurodegenerativas.
Com esta nova tecnologia PET-TAC somos capazes de detetar lesões que até hoje em dia resultavam praticamente impossíveis de identificar.

Combina a tecnologia PET (do inglês, Tomografia por Emissão de Positrões) e a da TAC (Tomografia Axial Computorizada de radiológica convencional). Para a Clínica, que já contava com uma tecnologia PET-TAC de características semelhantes, as prestações deste novo dispositivo permitir-lhe-á melhorar consideravelmente as possibilidades de detecção de uma lesão tumoral.

Saber mais sobre a PET

A PET tem uma grande utilidade no diagnóstico e acompanhamento das doenças tumorais.

Esta prova pode realizar-se de maneira combinada com outras provas de imagem, como a TAC, oferecendo desta maneira uma informação muito completa da lesão a estudar.

Além das doenças tumorais, a PET tem indicações na doença do coração e em doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer ou na doença de Parkinson.

A PET é um procedimento ambulatório que não requer nenhum dia de admissão hospitalar.

A glicose marcada (FDG) é injetada em uma veia periférica. O paciente deverá permanecer em repouso durante uma hora.

A obtenção de imagens dura aproximadamente meia hora. Portanto, o paciente rerá que permanecer deitado na marquesa durante esse período de tempo.

Ao realizar a PET, uma enfermeira comprovará o seu nível de glicose em sangue (glicemia). Se o nível estiver elevado, será administrada insulina via subcutânea ou intravenosa, com o fim de alcançar níveis de glicemia adequados para a realização da prova.

A prova requer a administração de um relaxante muscular motivo pelo qual não é aconselhável que dirija depois de a ter realizado.

  • O paciente deve estar em jejum seis horas antes de realizar a prova, mas pode beber água.
  • Não deve praticar exercício físico antes de realizar a prova, nem mastigar pastilhas nem rebuçados.
  • Deve vestir roupa cómoda.
  • No caso de tomar alguma medicação de maneira habitual pode tomá-la com um pouco de água.
  • No caso de ser diabético ou de padecer algum tipo de transtorno muscular (por exemplo, miastenia gravis), deverá comunicar à equipa de enfermagem.
  • Caso tome medicamentos com corticoides (Fortecortin®, Dacortina®, Dexametasona®, etc.) deverá comunicar à equipa de enfermagem.
  • No caso de supor que possa estar grávida, deve comunicar ao seu médico e à equipa de enfermagem no momento da admissão hospitalar.
  • Caso esteja a amamentar, pergunte à enfermeira as indicações a seguir.
  • É recomendável aumentar a ingestão de líquidos a partir da administração do isótopo radiativo para favorecer a eliminação por via urinária.
  • Deverá extremar as medidas de higiene depois de ter ido à casa de banho.
  • Pode vir com uma pessoa, mas deverá evitar, durante o tempo que lhe indicar a enfermeira de Medicina Nuclear, o contacto direto com mulheres grávidas ou com crianças. 
  • A dose administrada para uma exploração não produz nenhum efeito secundário nem reações adversas e também não o impossibilitará continuar com a sua rotina diária.
  • Durante a realização da prova não notará nenhuma moléstia.
  • Quando o paciente for uma criança, vai receber uma dose menor de FDG, segundo seja o seu peso. Existe uma vasta experiência na utilização clínica de isótopos emissores de positrões sem se ter observado efeitos secundários.
  • Nos homens ainda não se demonstrou que os isótopos emissores de positrões tenham causado algum efeito a longo prazo sobre a fertilidade nem sobre a saúde dos filhos que possam ter depois de ter realizado a prova. 
Imagen con los pasos que hay que dar para solicitar una segunda opinión en la Clínica Universidad de Navarra
Caso necessite a opinião médica dos nossos especialistas sem necessidade de deslocar-se à Clínica, oferecemos-lhe a possibilidade de realizar uma consulta de Segunda Opinião não presencial.

talvezlhe interesse

RAZÕES PARA VIR

Porque é que a Clínica é diferente em relação a outros centros sanitários?

Imagen de una niña pequeña con cáncer por los pasillos de la Clínica

ENSAIOS CLÍNICOS

Deseja participar nos nossos ensaios clínicos? Conheça quais os que estão ativos.
Imagen médico investigando con microscopio

SERVIÇOS INTERNACIONAIS

Saiba o que fazemos para os nossos pacientes internacionais.
Entrada principal a la Clínica Universidad de Navarra