Atrás Cancro do pulmão

QUAL O TRATAMENTO?

Nos casos de cancro do pulmão é fundamental contar com um plano terapêutico multidisciplinar que combine cirurgia, radioterapia e quimioterapia conforme a necessidade de cada paciente.

O sucesso nestas áreas assistenciais está precisamente no trabalho em equipa, o delineamento de protocolos conjuntos, a interação entre equipamentos médicos e a agilidade assistencial que permitem os grupos de trabalho formados pelos diferentes especialistas que as compõem.

O trabalho conjunto de pneumologistas, radioterapistas, patologistas, radiologistas, especialistas em medicina nuclear e oncologistas dedicados de forma preferente ao diagnóstico e tratamento de tumores torácicos consegue melhorar a qualidade assistencial. 

PRECISA BUSCAR UMA SEGUNDA OPINIÃO?

Imagen con los pasos que hay que dar para solicitar una segunda opinión en la Clínica Universidad de Navarra

Caso necessite a opinião médica dos nossos especialistas sem necessidade de deslocar-se à Clínica, oferecemos-lhe a possibilidade de realizar uma consulta de Segunda Opinião não presencial.

Quando o cancro do pulmão estiver localizado é possível fazer uma abordagem cirúrgica em uma alta percentagem dos casos.

Se a doença se propaga, provavelmente não será possível utilizar cirurgia. Para saber se a cirurgia é possível, é necessário fazer provas de função respiratória para conhecer se a reserva respiratória remanescente depois da cirurgia será suficiente para o paciente respirar.

Procedimentos cirúrgicos:

  • Lobotomia: extirpação de um lobo do pulmão. Aplicável a pacientes com uma reserva respiratória adequada. Minimiza a probabilidade de uma recorrência localizada.
  • Pneumonectomia: extirpação de todo o pulmão.
  • Segmentectomia ou resecção parcial: extirpação de parte de um lobo. É realizada em pacientes com função respiratória diminuída.

Se o cancro do pulmão se propaga ao cérebro, é possível que a extirpação da metástase cerebral (metastasectomia) seja benéfica, desde que não prejudique o cérebro.

Atualmente, aplica-se um procedimento intensivo para tratar o cancro do pulmão em etapa precoce: a vídeotoracoscopia [ES], que se trata de colocar uma pequena câmara na cavidade torácica que permita ao cirurgião ver o tumor. Assim sendo, as incisões que são feitas são de menor tamanho e a recuperação é mais rápida. 

Existem dois tratamento diferentes que variam em dependência de se o carcinoma é microcítico ou não

Os carcinomas microcíticos, 20% dos tumores pulmonares, são mais agressivos, com mais tendência à propagação a outras regiões e, por isso, o seu prognóstico é menos favorável. São tratados com quimioterapia desde o início e tão logo quanto possível.

O prognóstico é melhor em pacientes cuja doença é localizada de forma precoce. Além disso, é necessário administrar irradiação na região do tórax onde estiver junto com radioterapia holocraneal para prevenir a doença a nível cerebral. Nestes casos, os tratamentos melhoram notavelmente a qualidade de vida do paciente e estendem a sua supervivência.

Nos carcinomas não microcíticos, a quimioterapia pode ser aplicada antes ou depois da cirurgia, dependendo das características do tumor e seu grado de propagação.

Contamos com agentes biológicos que atuam sobre os brancos moleculares específicos do tumor, personalizando desde já o tratamento de cancro do pulmão no microcítico com base em análises moleculares sobre o tumor de cada doente. 

Radioterapia no cancro no microcítico, vital para o controle da doença.

O tratamento pode ser utilizado como tratamento pré-operatório para conseguir diminuir o tamanho do tumor para possibilitar a sua eliminação com a cirurgia.

Em tumores que não são operáveis ou em carcinomas microcíticos não estendidos, é possível administrar radioterapia a altas doses ou em combinação com quimioterapia baseada só em cisplatino ou com outros quimioterápicos como o paclitaxel.

A radiação pós-operatória é contemplada em aqueles tumores de pulmão operados onde se confirma a afetação dos gânglios medianísticos ou nos casos onde se documenta a afetação dos bordes de resecção.

O tratamento de radiação em um carcinoma do pulmão pressupõe um desafio clínico, sendo que o pulmão tolera a radiação de forma muito limitada e, a proximidade dos órgãos, como a medula espinal, o coração e o esófago obrigam o uso de técnicas de radiação altamente selectivas quando se procura administrar um tratamento radical com radiação.

Em tumores de pulmão pequenos (menores de 3-4 cm) em pacientes medicamente inoperáveis, também é possível aplicar radioterapia estereotáxica que oferece resultados óptimos de controle com muito poucos efeitos secundários.

talvezlhe interesse

RAZÕES PARA VIR

Porque é que a Clínica é diferente em relação a outros centros sanitários?

Imagen de una niña pequeña con cáncer por los pasillos de la Clínica

ENSAIOS CLÍNICOS

Deseja participar nos nossos ensaios clínicos? Conheça quais os que estão ativos.
Imagen médico investigando con microscopio

SERVIÇOS INTERNACIONAIS

Saiba o que fazemos para os nossos pacientes internacionais.
Entrada principal a la Clínica Universidad de Navarra